Vanessa Nunes

Vanessa Nunes

Client Partner

A forma como as pessoas se comportam em sociedade é resultado de tudo o que é comunicação.

E é por isso que sou uma apaixonada pelas estratégias de comunicação.

Pensar comunicação é um desafio que exige, em primeiro lugar, perceber exactamente quem somos e quem são os nossos públicos. Profissionais de relações públicas fazem a comunicação de pessoas para pessoas; por isso, se por um lado é fundamental comunicar em conformidade com a identidade do emissor, por outro, é igualmente essencial comunicar com os receptores de forma a que compreendam as mensagens e se aumente assim a probabilidade de agirem em conformidade com o objectivo de comunicação. É aqui que tudo começa: na pesquisa e conhecimento dos públicos. Daí em diante, a maior exigência passa a ser a capacidade criativa.

Se é verdade que não vivemos sem planeamento, também não vivemos sem o improviso. Para garantir que atingimos os nossos objectivos, é essencial planear o caminho que se vai tomar, criar soluções eficientes e adaptadas aos nossos públicos. Mas por trabalharmos para pessoas, é impossível controlar todas as variáveis e condicionantes, por isso o nosso trabalho faz-se dia após dia seguindo um caminho planeado que, além de sofrer com a necessidade de improvisar novas soluções, também exige a observação da oportunidade e a agilidade para a saber aproveitar quando surge entre o inesperado.

Não existem fórmulas mágicas, nem comunicação perfeita. Todas as técnicas são possíveis, todos os materiais tangíveis ou intangíveis, já utilizados ou por utilizar, são passíveis de ser vias de comunicação válidas e eficazes. E depois, cada caso é um caso. Copiar é impossível e a réplica é algo insuficiente, que não inova e diferencia. Esta dinâmica exige de nós, profissionais, uma grande capacidade de adaptação e espírito criativo, uma ambição de fazer mais e diferente, explorar as infinitas possibilidades para atingir quaisquer que sejam os nossos objectivos de comunicação.

Na verdade é isso: somos exploradores, sempre disponíveis para descobrir novos e desconhecidos espaços. Partimos com um roteiro definido mas com toda a disponibilidade para mudar de trilho se no local percebermos que o previsto está interdito ou se houver valor acrescentado nessa hipótese, chegando sempre ao nosso destino.

A comunicação é um mundo sem fim, um espaço onde, por mais voltas que demos, por mais descobertas que se façam, a novidade não se esgota. Saber que haverá sempre mais, além do que já se viu e fez, é incentivo bastante para fazer parte desta jornada.